26 de nov de 2015

PREPARANDO O NATAL


O seminarista Marcos Legnani, durante o momento da Leitura Orante da Palavra de Deus, nos preparou para vivenciar esse novo tempo litúrgico que se inicia na Igreja, que é o tempo do Advento em preparação a grande festa do nascimento de Jesus.

Para bem viver esse santo tempo, Marcos propôs a todos para que escrevemos propósitos para bem vivenciar o tempo do Advento. Alguns desses propósitos foram lidos em comunidade. Todos os propósitos foram abençoados pelo reitor do seminário e depositados no vaso que se encontra abaixo do Santíssimo Sacramento. 








SEMINARISTA ANDRÉ LUÍS DA ROSA COMEMORA SEU ANIVERSÁRIO


O dia foi de grande alegria para o Seminarista André Luís da Rosa, que completou seus 22 anos de vida.

André é natural do município de Itajaí, depois sua família veio residir em Balneário Rincão, e atualmente morra no município de Içara, Paróquia São Miguel, está cursando o primeiro ano do curso de Teologia, realiza seu estágio pastoral na Paróquia São Roque, município de Morro da Fumaça.

A comunidade do Seminário Teológico Bom Pastor se alegra pela passagem de seu aniversário e roga a Deus, as benção sobre sua vida, família, estudos e vocação. PARABÉNS.








24 de nov de 2015

ENCERRAMENTO DO ANO COM OS AMIGOS DO SEMINÁRIO


No dia 24/11/2015 a comunidade do Seminário Teológico Bom Pastor acolheu os amigos do seminário para o encerramento das atividades. Os amigos marcaram presença no seminário durante todo o ano de 2015, todas as terças-feira celebrando a eucaristia. 

Foi um momento muito importante de oração, partilha e amizade, pois, após a celebração eucarística aconteceu uma confraternização preparado por todos. 

A Santa Missa foi presidida pelo reitor da casa, Padre Oscar Paulo Pietsch, e concelebrada pelo Padre Tiago De Moliner Eufrásio, Professor Residente.

A todos os que colaboraram com nossa comunidade, e aos que marcaram presença toda semana, nosso muito obrigado e votos de um abençoado e Santo Natal e Feliz Ano Novo.



















PREPARANDO O NATAL

Se preparando para o tempo do Advento que a Igreja inicia-se neste final de semana, o Seminário Teológico Bom Pastor da Diocese de Criciúma em Florianópolis, começou a preparação dos enfeites natalinos, para a chegada do menino Deus, que deve ser o centro do nosso natal.

















19 de nov de 2015

Papa: o mundo não entendeu o caminho da paz

Cidade do Vaticano (RV) - “O mundo inteiro hoje está em guerra para a qual não há justificativa”, disse o Papa Francisco na homilia da missa celebrada nesta quinta-feira (19/11) na Casa Santa Marta.
O Pontífice comentou o Evangelho de Lucas em que Jesus se comove e chora sobre Jerusalém. Jesus se aproximou, e quando viu a cidade, começou a chorar. Depois diz: “Se também você compreendesse hoje o caminho da paz! Agora, porém, isso está escondido aos seus olhos”. O Papa repetiu as palavras de Jesus e acrescentou:
“Mas também hoje, Jesus chora. Porque nós preferimos o caminho das guerras, o caminho do ódio, o caminho das inimizades. Estamos próximos ao Natal: teremos luzes, festas, árvores luminosas e presépio. Tudo falso: o mundo continua fazendo guerras. O mundo não entendeu o caminho da paz.”
Se intuem os sentimentos do Papa Francisco, idênticos aos da maioria das pessoas no mundo nestes dias, nestas horas. Francisco recorda as celebrações recentes sobre a II Guerra Mundial, as bombas de Hiroshima e Nagasaki, a sua visita a Redipuglia no ano passado para o aniversário da Grande Guerra. “Tragédias inúteis”, repete usando as palavras de Bento XVI. “Em todo lugar existe guerra, hoje, existe ódio”, ressalta. Depois faz uma pergunta: “O que permanece de uma guerra, desta, que estamos vivendo agora?
“O que resta? Ruínas, milhares de crianças sem educação, tantos mortos inocentes: tantos!, e muito dinheiro nos bolsos dos traficantes de armas. Jesus disse uma vez: 'Você não pode servir a dois senhores: ou Deus ou as riquezas’. A guerra é a escolha pelas riquezas: “Vamos construir armas, assim a economia vai equilibrar um pouco, e vamos continuamos com os nossos interesses’. Há uma palavra feia do Senhor: 'Malditos'. Porque Ele disse: "Bem-aventurados os pacificadores"!. Estes que trabalham a guerra, que fazem as guerras, são malditos, são criminosos. Uma guerra pode ser justificada - entre aspas - com muitas, muitas razões. Mas quando todo o mundo, como é hoje, está em guerra, todo o mundo: é uma guerra mundial – a pedaços: aqui, ali, lá, em todos os lugares ... - não há nenhuma justificação. E Deus chora. Jesus chora”.
“E enquanto os traficantes de armas fazem o seu trabalho – prossegue Francisco – há os pobres pacificadores que somente para ajudar uma pessoa, outra, outra, outra, dão a vida”. Como fez “um ícone do nosso tempo, Teresa de Calcutá”. Contra quem, observa, “com o cinismo dos poderosos, se poderia dizer. Mas o que fez aquela mulher? Ela perdeu a vida ajudando as pessoas a morrer?”. Não se entende, o caminho da paz ... "
“Nós fará bem também a nós pedir a graça das lágrimas, por este mundo que não reconhece o caminho da paz. Quem vive para fazer a guerra, com o cinismo de dizer para não fazê-la. Peçamos a conversão do coração. Precisamente às portas deste Jubileu da Misericórdia, que o nosso júbilo, a nossa alegria sejam a graça que o mundo reencontre a capacidade de chorar pelos seus crimes, por aquilo que faz com as guerras”.

18 de nov de 2015

Papa a luteranos: devemos pedir perdão pelo escândalo da divisão.

Cidade do Vaticano (RV) - “Houve tempos difíceis entre nós. Pensemos nas perseguições entre nós, com o mesmo Batismo. Pensemos em quantos foram queimados vivos. Devemos pedir-nos perdão por isso.” Foi o que disse o Papa Francisco durante a visita na tarde deste domingo à Igreja Evangélica Luterana de Roma.
Um longo aplauso havia acolhido o Santo Padre em sua entrada ao referido templo evangélico, por ele visitado para recordar o V centenário do reformador Martinho Lutero. “É com alegria que rezo hoje, em Roma, com os irmãos Luteranos. Deus abençoe quantos trabalham em prol do diálogo e da unidade dos cristãos”, escrevera o Papa num tuíte lançado na manhã deste domingo, antes do Angelus.
Deixando de lado o discurso escrito que tinha preparado, em sua meditação espontânea, partindo do Evangelho pouco antes proclamado (Mt 25,31-46), que nos traz a parábola do Juízo final, Francisco ressaltou que as perguntas que o Senhor nos fará naquele dia não serão se fomos à missa ou se fizemos uma boa catequese. As perguntas serão acerca dos pobres, “porque a pobreza está no centro do Evangelho”, afirmou.
“Jesus é Deus? É verdade. É o Senhor? É verdade. Mas é o servo e a escolha Ele fará sobre isso. Você, a sua vida, a viveu para si ou para servir? Para defender-se dos outros com os muros ou para acolhê-los com amor? Essa será a escolha de Jesus.
Essa página do Evangelho nos fala muito sobre o Senhor. E posso fazer-me a pergunta: nós, luteranos e católicos, de que lado estaremos, à direita ou à esquerda?
Francisco fez o questionamento aludindo à passagem proposta do Evangelho na qual afirma que “quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória. E serão reunidas em sua presença todas as nações e ele separará os homens uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos, e porá as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda (Mt 25,31-33).
O trecho proposto do Evangelho nos recorda que somos julgados segundo a nossa proximidade concreta ao irmão em sua situação real, em sua condição: o que pressupõe capacidade de atenção, de compaixão, de partilha e de serviço.
O Papa havia iniciado sua meditação ressaltando que Jesus durante sua vida fez muitas escolhas, e que esta seria a última escolha.
“Jesus escolheu os primeiros discípulos, os doentes que curava, a multidão que o seguia e o seguia para escutar porque falava como alguém que tem autoridade, não como os doutores da lei que se pavoneavam”, disse.
Mesmo depois da Ressurreição é comovente ver como Jesus escolhe os momentos, escolhe as pessoas, não as assusta. Pensemos nos discípulos de Emaús, como os acompanha. “Deveriam ir a Jerusalém, mas fugiram por medo e Ele se junta a eles e os acompanha. E depois se mostra, os recupera. É uma escolha de Jesus”, continuou o Santo Padre.
Para concluir, disse Francisco, gosto quando vejo o Senhor Servo que serve, gosto de pedir que Ele seja o Servo da unidade, que nos ajude a caminhar juntos.
“Hoje rezamos juntos, rezar juntos pelos pobres, pelos necessitados, amar-nos juntos, com verdadeiro amor de irmãos. ‘Mas padre, somos diferentes, porque nossos livros dogmáticos dizem uma coisa e os de vocês dizem outra...’ Mas um grande dentre vocês (um teólogo, ndr) disse uma vez que existe a hora da diversidade reconciliada. Peçamos hoje esta graça, a graça desta diversidade reconciliada no Senhor, isto é, no servo de Javé, daquele Deus que veio até nós para servir e não para ser servido.”
Francisco concluiu agradecendo pela hospitalidade fraterna.
No início do encontro, antes da proclamação do Evangelho, houve um momento de conversação espontânea com os fiéis da igreja luterana, na qual, respondendo a algumas perguntas, Francisco referiu-se também aos atentados na capital francesa.
“O egoísmo humano quer defender-se, defender o próprio poder, o próprio egoísmo, mas naquele defender-se se distancia da fonte de riqueza”, disse o Bispo de Roma respondendo à pergunta de uma fiel protestante.
O meu irmão pastor citou Paris, prosseguiu o Papa referindo-se ao anfitrião Jens-Martin Kruse, que na saudação ao Pontífice havia falado dos atentados na França.
“Também em Paris vimos corações fechados, e também o nome de Deus é usado para fechar os corações. O que fazer?”, perguntou. Para Francisco, o antídoto é claro: “Falar claro, rezar e servir”.
“Aquilo de que mais gosto” como Papa “é ser pároco”, mas também “estar com as crianças, falar com elas, porque se aprende muito com elas”. Com essas palavras, Francisco respondeu à pergunta de uma criança de nove anos. “Gosto de ser pároco, o pastor, não gosto do trabalho burocrático, nem das entrevistas protocolares, mas esta não é protocolar, é familiar. Deve fazê-las”, reiterou o Papa num momento de alegre conversação com a comunidade evangélica.
Por fim, recordamos que a Igreja Evangélica Luterana de Roma foi visitada por João Paulo II em 11 de dezembro de 1983 e por Bento XVI em 14 de março do ano 2000. (RL)

16 de nov de 2015

ARTIGO PARA O MÊS DE NOVEMBRO


O MISTÉRIO DA MISERICÓRDIA

*uma leitura do segundo parágrafo da bula de proclamação do jubileu extraordinário da misericórdia, Misericórdiae Vultus (MV)

Um coração pobre, que não se vangloria, que não se sente maior, que não deixa habitar em si sentimentos de orgulho ou avareza, um coração humilde. Papa Francisco lembra que a misericórdia em Deus é um mistério a ser contemplado sempre (MV 2). Deus, que a tudo criou segundo sua imagem e semelhança, revela em seu Filho primogênito as profundezas de sua ação para com o ser humano, revela a sua infinita misericórdia.

Deus esvazia-se, rebaixa-se de sua infinitude, torna-se humano, para que Nele contemplemos a misericórdia. Talvez seja esse um grande segredo que tanto humanizou a Jesus Cristo, permitir-se ser o reflexo da misericórdia do Pai, permitir-se ser testemunha fiel daquilo que brota em plenitude do coração de Deus, e viver a cada momento a misericórdia.

Papa Francisco insiste na misericórdia como fonte dessa humanidade quando ensina a vê-la tal qual uma “lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida” (MV 2).

Viver a misericórdia torna-se via para não cair em pecado, e também meio para afastar o indiferentismo, um dos grandes culpados desta sociedade cada vez mais desumana. A misericórdia não tem olhos superiores, ensina a acolher em verdade, sem más intenções. Permitir-se agir com atos de misericórdia ensina a ser grande de um jeito diferente, ensina a ser grande como Jesus o foi, ensina a grandeza de coração.

E eis que Jesus coloca a humanidade diante de um paradoxo, quando assim aponta um coração humilde e pequeno como um coração grande e cheio de valores. É Deus mesmo ensinando a ser gente, é o Verbo Criador vindo ao encontro de sua amada criatura para apresentar-lhe valores que não passam, valores eternos, valores que salvam, que se transformam em uma diária redenção. A misericórdia tem o poder de redimir a humanidade, pois “é o ato último e supremo pelo qual Deus vem ao nosso encontro” (MV 2).

O paradoxo, o mistério da misericórdia, é a via mais rápida que aproxima o ser humano de Deus, “é o caminho que une Deus e o homem” (MV 2), é a potente força que impele Deus a buscar a humanidade,  é também o atributo mais arraigado (e por isso mais escondido) no coração humano, pois pode vivê-lo independente de credo, raça, língua ou nação.


É no mistério da misericórdia que os homens se reconhecem, entram em comunhão, pois de igual modo a carregam em si. E assim, do mesmo modo, o coração de Deus se une profundamente ao coração humano. 


Artigo escrito pelo Seminarista Rodrigo Cristóvão Emerim, está cursando o segundo ano do curso de teologia, e é natural da Paróquia Santa Rosa de Lima, em Santa Rosa do Sul. 

13 de nov de 2015

Bispo anuncia transferências e nomeações no clero para 2016
“Eu vim para servir” (Mc 10,45) 

Tendo em vista uma Igreja cada vez mais missionária e servidora e, atentos às necessidades da Diocese de Criciúma e do Regional Sul 4 da CNBB, após reflexão feita no Conselho de Presbíteros e em diálogo com os presbíteros envolvidos, julgamos por bem realizar as seguintes nomeações e transferências, a saber:   



Pe. Ademar Paulo De Fáveri (Pároco da Paróquia São Roque – Timbé do Sul)
Nova Missão: Pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo – Balneário Arroio do Silva

Pe. Aguinaldo Zuchinali
(Vice-Reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora de Caravaggio - Nova Veneza)
Nova Missão: Vigário Auxiliar da Paróquia Nossa Senhora de Fátima – Cidade Mineira, Criciúma (permanece como Formador do Seminário Diocesano Nossa Senhora de Caravaggio)

Pe. Alex Sandro Serafim (Vigário Paroquial da Paróquia Santo Antônio de Pádua – Sombrio)
Nova Missão: Administrador Paroquial da Paróquia São Roque – Timbé do Sul

Pe. Alírio Leandro (Orientador Espiritual no Seminário Filosófico de Santa Catarina (SEFISC) – Brusque/SC)
Nova Missão: Pároco da Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens – Araranguá

Pe. Antônio Marcos Machado Madeira (Pároco da Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens – Araranguá)
Nova Missão: Reitor do Seminário Filosófico de Santa Catarina (SEFISC) – Brusque/SC

Pe. Bento Ailton Zilli (Pároco da Paróquia São Miguel – Vila Nova, Içara)
Nova Missão: Vigário Paroquial da Paróquia São Miguel – Vila Nova, Içara – e responsável por organizar a nova paróquia do Balneário Rincão

Pe. Itamar Mazzuco (Pároco da Paróquia São Marcos – Nova Veneza)
Nova Missão: Pároco da Paróquia São Roque – Morro da Fumaça

Pe. Jacinto Benedet 
(Ano Sabático e Vigário Auxiliar da Paróquia São Marcos - Nova Veneza)
Nova Missão: Vigário paroquial da Paróquia Santo Agostinho – Rio Maina, Criciúma

Pe. Joel Sávio 
(Coordenador Diocesano de Pastoral e Vigário Auxiliar da Paróquia São Miguel - Vila Nova, Içara)
Nova Missão: Vigário Auxiliar da Paróquia São José (Catedral) – Criciúma (permanece como Coordenador Diocesano de Pastoral)

Pe. José Cipriano Neto (Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens – Araranguá)
Nova Missão: Vigário Paroquial da Paróquia Santo Antônio de Pádua – Sombrio

Pe. Marcos Rech (Pároco da Paróquia São Roque – Morro da Fumaça)
Nova Missão: Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Salete – Próspera, Criciúma

Pe. Maxssuél da Rosa Mendonça (Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Urussanga)
Nova Missão: Pároco da Paróquia São Miguel – Vila Nova, Içara

Pe. Thiago De Moliner Eufrásio (Vigário Auxiliar da Paróquia Santa Terezinha – Jacinto Machado)
Nova Missão: Vigário Auxiliar da Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens e Professor de Teologia na FACASC – Florianópolis

Pe. Vilmar Moretti (Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Salete – Próspera, Criciúma)
Nova Missão: Pároco da Paróquia São Marcos – Nova Veneza

Em vista da preparação para as ordenações diaconal e presbiteral, foram nomeados os seminaristas:

Daniel Zilli Da Rolt: Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Urussanga
Jonas Emerin Velho: Paróquia Santa Terezinha – Jacinto Machado

Dando continuidade à formação presbiteral, farão estágio pastoral:

Rodrigo Cristóvão Emerim: Paróquia Nossa Senhora de Fátima – Cidade Mineira, Criciúma

Mateus Réus dos Reis: Paróquia Imaculado Coração de Maria – Lauro Muller

Contamos com o apoio, a acolhida e a oração a todos os presbíteros e seminaristas que iniciam nova missão em nossa Diocese de Criciúma.

Com as bênçãos de Deus e a intercessão de Nossa Senhora de Caravaggio e São José, nossos padroeiros.

Dom Jacinto Inacio Flach
Bispo da Diocese de Criciúma

3 de nov de 2015

FELIZ ANIVERSÁRIO

SEMINARISTA SAMUEL COMEMORA SEU ANIVERSÁRIO




O dia foi de grande alegria para o Seminarista Samuel Colombo Pirola, que completou seus 27 anos de vida, no ultimo dia 01 de novembro.

Samuel é natural do bairro Rio Maina, município de Criciúma, Paróquia Santo Agostinho, está cursando o segundo ano do curso de Teologia, realiza seu estágio pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Maracajá.

A comunidade do Seminário Teológico Bom Pastor se alegra pela passagem de seu aniversário e roga a Deus, as benção sobre sua vida, família, estudos e vocação. PARABÉNS.